Houve ruptura da base do prefeito Rodrigo na Câmara de Garuva?

Votação polêmica da última segunda-feira ganhou repercussão na imprensa da região e ocasionou duras críticas aos vereadores do município, e, agora, a população acompanha pelas redes sociais a troca de farpas entres os familiares de ambos os legisladores

O que era para ser mais uma noite de votações na Câmara de Vereadores de Garuva tornou-se a possibilidade de uma ruptura na base do prefeito Rodrigo (MDB) no Legislativo municipal. Na segunda-feira (12), cinco vereadores do MDB, sendo maioria, reprovaram a proposta de emenda à Lei Orgânica (L) 1/2021, do vereador Ladiomar Padilha Filho (Podemos), que visava extinguir o recesso dos vereadores entre os dias 17 e 31 dos meses de julho.  Ladiomar foi eleito pela coligação Garuva em Boas Mãos, formada pelos partidos PSDB, PL, MDB, PDT e o seu partido Podemos.

O projeto ganhou reforço com a assinatura de mais dois ‘vereadores-chave’: Ivo Mariano, líder do MDB na Câmara, que foi contrário à votação dos demais colegas de partido e de Edson Jair Back, do Republicanos, até então a oposição da base do prefeito no Legislativo, sendo o único vereador eleito fora da coligação de Rodrigo.

Porém, a votação contrária teve como base o parecer do consultor jurídico da Câmara de Garuva, Orides Negrello Filho, que concluiu a inconstitucionalidade da proposta. O caso ganhou repercussão na imprensa da região e ocasionou duras críticas aos vereadores do município, e, agora, a população acompanha pelas redes sociais a troca de farpas entres os familiares de ambos os legisladores.

Em entrevista ao Folha Norte SC, o vereador Ladiomar afirma que participa de uma agremiação política em respeito à Constituição, “mas o meu partido político chama-se Garuva”, enfatiza e complementa que fará o seu papel como vereador de fiscalização do Executivo.

“Embora que, graças a Deus, nesta administração, nós estamos vendo que Garuva tende a crescer”, destaca afirmado que, da parte dele, não houve ruptura, dando ênfase ao debate de ideias na Câmara como primordial para a democracia.

Para o vereador Ivo Mariado, o que ocorreu na Câmara foi uma discussão normal no processo democrático, onde cada vereador tem a sua opinião sobre o tema “e o partido, em nenhum momento, forçou votos favoráveis ou contrários, que cabe a cada vereador, afinal, representamos a voz do povo”, disse.

“Pessoalmente, acredito que se o vereador trabalha 24 horas por dia, não há motivo para ter recesso no meio do ano, mas essa é a minha convicção”, complementou.

Ivo ressalta que faz parte da Câmara de Vereadores estas discussões e divergências de opiniões sempre ocorrerão, mas é um debate absolutamente normal. “Continuamos amigos e iremos continuar realizando nossos trabalhos, fiscalizando, aprovando ou desaprovando leis, dando todo o apoio ao Poder Executivo”, informa.

Como líder do governo, o vereador Mdebista revela que questionou o prefeito sobre o ocorrido na Câmara, e a resposta foi de que “trata-se de uma discussão que deve ocorrer dentro da Câmara de Vereadores e que não afetaria em nada a administração municipal, portanto cada vereador deve votar de acordo com a sua opinião”.

Jarbas Budal, Mdebista que votou favorável ao parecer jurídico, salienta que, de fato, não vê ruptura, “afinal, até aqui, os projetos de interesse da população vêm sendo debatidos livremente e aprovados pelo Legislativo”, disse, mas lembra que, recentemente, apenas um vereador teve posicionamento diferente da bancada, “o que não é positivo, pois unidos somos mais fortes”. Jarbas também informa que a postura individual dos vereadores e as decisões de bancada serão tratadas em reunião partidária nesta última quinzena de julho.

“O MDB permite o debate e as divergências de ponto de vista, seguir as diretrizes do partido não significa colocar Garuva em segundo plano, que, por questões óbvias, é o norte que move as nossas lutas”, finaliza.

Siga o Folha Norte SC no Facebook e receba mais notícias de Garuva e região!

Leia também: Exclusivo: Vereadores de Garuva comentam votação polêmica sobre fim do recesso no legislativo

Texto: Herison Schorr

Jornalista formado pela Faculdade Bom Jesus Ielusc

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*