Garuva está entre as 13 cidades de SC com melhor habitat para criação de peixes

Pesquisa leva em conta critérios como vegetação, clima e abundância de água

Sobre Garuva ser uma das cidades mais piscosas do Sul do Brasil é um assunto amplamente divulgado nos folhetins da Prefeitura do município. Mas, como é este diferencial na prática? A Epagri lançou nesse mês um mapa interativo onde identifica os melhores locais para criação de peixes em Santa Catarina. A pesquisa leva em conta critérios como vegetação, clima e abundância de água.  Dentre os 13 municípios que receberam nota máxima, Garuva se encontra. 

Mapa mostra Garuva entre os municípios com melhor habitat para a criação de peixes. Arte: Epagri

De acordo com a Epagri, o objetivo da pesquisa é atender às demandas dos extensionistas rurais por dados ambientais espacializados. Além de atender também agricultores, estudantes, pesquisadores e o público que tenha interesse em dados dessa natureza.

Criação de peixe como renda

Maria Lúcia dos Santos tem 60 anos e há 15 trabalha com piscicultura em Garuva. Em seu terreno construiu o Pesque Pague Mina Velha, com sete tanques, onde cria carpa, pacu e o principal: tilápia, o peixe consta em 95% da demanda do pesqueiro.   

A produtora conta que a criação começa com os alevinos comprados, em cerca de um ano os animais estão prontos para o abate. Segundo Maria, são 10 toneladas produzidas anualmente. Os peixes são comercializados no espaço e vendidos para restaurantes da região. 

Maria destaca que o clima de Garuva e a abundância da água como fatores primordiais para a criação dos peixes no município.  “Garuva e região não tem um inverno rigoroso como em outro lugares do estado,  para citar alguns lugares: São Joaquim, Urupema, Urubici que tem um inverno rígido e causa mortandade de peixe, principalmente a tilápia que não resistem a exposição prolongada em temperatura abaixo de 10 graus”, explicou. 

Maria cria tilápias há 15 anos. Foto: Divulgação

Para a produtora, atualmente, o grande desafio na produção de peixes é com o preço da ração que, segundo Maria, vem sofrendo constantes aumentos, chegando a 70% se não até mais no custo total de produção.”Produzir alimentos em geral está se tornando desafiador. Pois sofremos aumentos constantemente nos insumos e muitas vezes não conseguimos repassar ao consumidor”, destacou. 

Piscicultura em Garuva

A piscicultura em Garuva está dividida em dois segmentos: a comercial e amadora. Na comercial, o município conta com, aproximadamente, 10 produtores com área alagada próximo de 25 hectares com produção de 105 toneladas de tilápia por ano. Existem ainda a produção de outros peixes em menor escala.

Já na produção amadora, atividade sem finalidade comercial – auto consumo e comércio esporádico -, Garuva conta com aproximadamente 100 piscicultores. A produção principal é de tilápia com 35 toneladas anuais. Outras espécies são produzidas em menor quantidade tais como, catfisch, carpas, pacu e lambari.

Município é destaque piscicultura. Foto: Herison Schorr

O município possui programas para incentivos, como o Programa Hora Máquina, que contempla as reformas e construções de viveiros e tanques de peixes, o Programa Porteira Adentro que auxilia no escoamento da produção, dentro das propriedades rurais, como o acesso as ruas, além do suporte dos funcionários da prefeitura e da Epagri. Técnicos agrícolas e veterinário, auxiliam durante o cultivo em questões como qualidade e parâmetros da água, além de todo o apoio técnico necessário.

Texto: Herison Schorr

Jornalista formado pela Faculdade Bom Jesus Ielusc

Siga o Folha Norte SC no Facebook receba mais notícias de Garuva e região!

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*