Entenda o caso do morador de Garuva desaparecido em Joinville e encontrado no Paraná

Na noite de terça-feira (13), Luiz Carlos Catarina, de 55 anos, que, de acordo com a família, tem deficiência mental, foi encontrado próximo ao município de Tijucas do Sul (PR), após receber alta do Hospital Municipal São José, em Joinville, no domingo

Luiz Carlos Catarina, de 55 anos, estava desaparecido em Joinville desde a noite de domingo, após receber alta do Hospital Municipal São José, de acordo com informações de familiares. O morador do Centro de Garuva, que, segundo a família, tem deficiência mental, foi atropelado no sábado e encaminhado ao Hospital com escoriações, onde recebeu atendimento.

Gravação: Redes sociais

Na noite de terça-feira (13), Luiz foi encontrado próximo ao município de Tijucas do Sul (PR) por um morador de Garuva que o reconheceu, ele estava desorientado e foi encaminhado ao UPA do município para avaliação médica, e foi liberado em seguida.

Em entrevista ao Folha Norte SC, Luiz contou que, após receber alta do Hospital, saiu da instituição próximo das 21h, e não soube se alguém o buscaria, assim, passou a procurar uma carona rumo a Garuva. “Eu era churrasqueiro, todo mundo me conhece, peguei carona com um e com outro”, afirmou. A esposa, Luiza Brasiliana de Farias, 65 anos, acredita que, devido sua condição, Luiz acabou tendo um lapso de memória e passou direto da entrada do município, seguindo caminho ao Paraná.

O morador afirma que chegou em São José dos Pinhas e iniciou o trajeto de volta para Garuva a pé, passando dois dias na rua. “Dormi igual mendigo, na rua, onde tinha um barraco pra dormir eu dormia”, ressaltou.

Luiz foi encontrado por um morador de Garuva próximo ao município de Tijucas do Sul, Paraná. Foto: redes sociais

Aliviada, a esposa agradece a todos que ajudaram nas buscas e nos cuidados com ele. “Eu chorava todos estes dias, ainda mais quando soube que ele tinha saído do Hospital e sabia que ele estava dormindo na rua. Chorava e orava a Deus”, afirma.

Luiz já está em casa e passa bem. Foto: Herison Schorr

Em nota publicada na íntegra pelo Folha Norte SC,

a Prefeitura de Joinville confirma que o paciente deu entrada no Hospital Municipal São José no sábado (10), às 19h34, após ser transferido do Pronto Atendimento de Garuva. Ele recebeu alta no domingo (11), às 19h10.

Também em nota publicada na íntegra pelo jornal,

a Prefeitura de Garuva informou que no sábado, dia 10 de abril, a Unidade de Pronto Atendimento de Garuva recebeu um paciente vítima de atropelamento na região central da cidade.

Após receber os primeiros cuidados, ele foi encaminhado ao Hospital Municipal São José, em Joinville, no mesmo dia. No domingo, próximo às 10h, a Secretaria de Saúde foi informada pelo Hospital que o paciente havia recebido alta. Conforme registro, a ambulância do município saiu às 10h15 para buscar o paciente. Chegando no local, o paciente não foi encontrado.

Na segunda feira, dia 12 de abril, a família entrou em contato com a Secretaria de Assistência Social do município para buscar informações quanto aos possíveis meios e encaminhamentos necessários para encontrá-lo. Na data, a esposa do munícipe recebeu acolhimento dos profissionais do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e foram realizados contatos com órgãos da rede de atenção do município a fim de obter dados sobre o ocorrido.

Realizou-se, também, contato com Setor de Serviço Social do referido Hospital, a fim de obter informações acerca do atendimento recebido pelo paciente naquela unidade. Ao que consta, após ser liberado, o paciente permaneceu por alguns instantes no pátio da instituição, evadindo-se antes mesmo da chegada do transporte disponibilizado pela Prefeitura de Garuva.

Diante das informações fornecidas pela instituição hospitalar, o assistente social da unidade realizou contato com a Polícia Militar, através do telefone 190, sendo orientado a realizar a abertura de Boletim de Ocorrência informando o desaparecimento.

O B.O foi realizado na companhia da esposa, que relatou ao profissional os detalhes da passagem do munícipe pelo hospital, bem como lhe forneceu detalhes que poderiam ajudar nas buscas pelo paciente.

Após ser encontrado e ter retorno para casa, o profissional entrou em contato com a família, através de visita domiciliar, buscando entender o ocorrido, prestando-lhes as orientações necessárias.

Texto: Herison Schorr

Jornalista formado pela Faculdade Bom Jesu Ielusc

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*