Covid-19: Araquari apresenta melhora e volta para o nível moderado da Matriz de Risco

A Matriz de Risco Potencial Regionalizado divulgada neste sábado (5), aponta uma melhora em Araquari e demais municípios da região do Vale do Itapocu que retornaram ao nivel moderado (azul) da classificação estadual. As demais regiões catarinenses encontram-se em nível alto (amarelo).

Houve piora nos indicadores das regiões do Alto Uruguai Catarinense e Extremo Oeste, que passaram a ser classificados como nível Alto (amarelo), juntando-se as regiões do Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Carbonífera, Extremo Sul Catarinense, Foz do Rio Itajaí, Grande Florianópolis, Laguna, Médio Vale do Itajaí, Meio Oeste, Nordeste, Oeste, Planalto Norte, Serra Catarinense e Xanxerê.

Os resultados do mapa de risco refletem o aumento no número de casos confirmados de Covid-19 em janeiro de 2022. Neste primeiro mês do ano, foram confirmados 202.084 casos de Covid-19 em Santa Catarina, um aumento de 1.433% em relação ao total de casos confirmados em dezembro de 2021 (13.186), o que impactou na transmissibilidade. Esta dimensão monitora o número de casos ativos que foram notificados no período e a velocidade de transmissão. Todas as regiões do Estado estão classificadas no nível gravíssimo (vermelho), com o número de casos ativos alcançando 67.395 casos em todo o estado.

Na dimensão de gravidade, que contempla os indicadores de mortalidade e tendência de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), houve melhora nos indicadores do Planalto Norte e Vale do Itapocu, que passaram a ser as únicas regiões classificadas no nível Moderado (azul). Houve melhora nas regiões do Extremo Sul Catarinense, Foz do Rio Itajaí e Laguna, que estavam classificadas no nível grave (laranja) e passaram a ser classificadas como nível Alto (amarelo) e piora nas regiões do Alto Uruguai Catarinense e Extremo Oeste, que estavam classificadas no nível moderado (azul) e passaram para o nível Alto (amarelo), juntando-se às regiões do Alto Vale do Rio do Peixe, Carbonífera, Grande Florianópolis, Meio Oeste, Nordeste, Oeste e Serra Catarinense que se mantiveram estáveis, no nível Alto (amarelo).

Na dimensão monitoramento, que reflete a cobertura vacinal e a variação semanal de casos, todas as regiões foram classificadas com risco moderado (azul), condição que mantêm em relação à semana anterior. Com mais de 5,3 milhões de pessoas que receberam as duas doses da vacina, a cobertura vacinal da população geral do Estado no dia 4 de fevereiro de 2022 ultrapassou 74,2%, o que vem contribuindo para frear o impacto do grande número de infecções na gravidade dos casos.

Já em relação à capacidade de atenção, que monitora a taxa de ocupação de leitos de UTI adulto com pacientes em tratamento para Covid-19 em relação ao total de leitos disponíveis em cada região, as regiões Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Itajaí e Vale do Itapocu se mantiveram no nível Moderado (azul), com taxas de ocupação abaixo de 20%. As regiões Carbonífera, Extremo Oeste, Foz do Rio Itajaí, Grande Florianópolis, Laguna, Médio Vale do Itajaí, Planalto Norte e Xanxerê estão classificadas no nível Alto (amarelo), com ocupação de 20 a 40%, e as regiões Alto Vale do Rio do Peixe, Extremo Sul Catarinense, Meio Oeste, Nordeste, Oeste e Serra Catarinense estão classificadas no nível Grave (laranja), com ocupação de 40 a 60%. Destaca-se que o Estado apresenta um plano de contingência para pronta disponibilização de leitos de UTI para atendimento de pacientes com Covid-19, caso seja necessário, assim como mantém os leitos disponíveis para tratamento de demais patologias. Portanto, mesmo com a disseminação da variante Ômicron, não existe comprometimento da capacidade de atenção de alta complexidade no momento.

Taxa de mortalidade maior entre pessoas sem reforço

Um estudo realizado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) da Secretaria de Saúde (SES) de Santa Catarina com dados de novembro de 2021 a janeiro de 2022 aponta que o risco de hospitalização e morte é maior entre pessoas não vacinadas ou que estão com a vacinação incompleta do que naquelas que receberam a dose de reforço. Durante o período ocorreram 871 mortes por Covid-19.

A taxa de óbitos por Covid-19 em idosos não vacinados ou com vacinação incompleta foi 47 vezes maior do que naqueles que já receberam a dose de reforço. Já entre os adultos, a taxa entre os não vacinados ou com vacinação incompleta foi 39 vezes maior do que naqueles que receberam a dose de reforço.

Segundo boletim epidemiológico da Covid-19 divulgado na terça-feira, 1º, houve um aumento de 95% no registro de mortes por Covid-19 em Santa Catarina entre a semana epidemiológica 03 (16 a 22 de janeiro) que registrou 93 óbitos, e a semana epidemiológica 04 (23 a 29 de janeiro), que registrou 181 óbitos. O maior número de óbitos registrados nesta semana vem acometendo idosos acima de 60 anos, que ainda não receberam a dose de reforço.

A Secretaria de Estado da Saúde alerta a todos acerca da importância da aplicação da dose de reforço para todos os indivíduos maiores de 18 anos que completaram o esquema primário de vacinação há pelo menos 4 meses. Além disso, é fundamental a manutenção das medidas de prevenção, como uso universal de máscaras, evitar aglomerações mantendo distanciamento físico de 1,0m entre grupos diferentes, dar preferência a ambientes ventilados e praticar a higiene respiratória, lavando as mãos de forma frequente.

O principal objetivo da matriz de risco é ser uma ferramenta de tomada de decisão. A nota final do mapa de risco considera um intervalo de variação mais adaptado para cada nível, sendo de 1 a 1,9 como moderado, 2 a 2,9 como alto, 3 a 3,9 como grave e igual a 4 como gravíssimo.

Fonte: Secretaria do Estado da Saúde

Edição: Jornalista Herison Schorr

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*