Secretaria de Obras e Serviços Públicos de Itapoá é comandada por jovem de 26 anos

“Escutei bastante das pessoas que não iria dar conta de administrar, mas, com muita força de vontade e dedicação, consegui mostrar que estavam erradas”, afirma a engenheira civil Stéfanie Castilho de Aguiar

Stéfanie Castilho de Aguiar tem 26 anos e é formada em engenharia civil pela Unisociesc, em Joinville. No final do ano passado, a jovem recebeu um convite que mudaria sua vida e a percepção de uma comunidade sobre a ocupação de cargos públicos majoritariamente dominado pelo público masculino: uma Secretaria de Obras e Serviços Públicos.

“Foi uma grande surpresa para mim, pois, no município de Itapoá, nenhuma mulher havia assumido o cargo – então, eu seria a primeira -, pois bem, dei a resposta após quatro dias. Pensei bastante, e aceitei o convite, sabia que seria mais um desafio em minha vida”, revelou a jovem que, até então, era diretora de obras do município.

Stéfanie em suas funções como secretária da pasta. Foto: Acervo

Atualmente, com a ascensão delas aos cargos técnicos, a engenheira revela que houve um aumentou da procura por mulheres no curso de engenharia, “as mesmas estão assumindo cargos que eram somente procurados por homens”, destaca.

Stéfanie observou o reflexo da faculdade que cursou, onde havia apenas sete mulheres na sala de aula, no seu trabalho na secretaria com, de fato, um número maior de funcionários homens. Ela afirma seu conhecimento na parte técnica, como: cálculos, projetos e planilhas; porém, segundo a secretária, a dinâmica da Secretaria iria muito além disso. “É administração, contabilidade, recursos, entre outras coisas. Aos poucos, com a ajuda da equipe, consegui analisar e compreender”, completou.

Ela admite que os primeiros dias como secretária foi um período de bastante aprendizado e muita calma, por ser um cargo complexo, pois ele é a infraestrutura de todo do município, com uma parte operacional que contempla os operadores, motoristas, agentes operacionais e todos os maquinários e equipamentos que compõem a frota da Secretaria. “Confesso que não entendia sobre patrola, motoniveladora, rolo; materiais como lâminas, pneus, peças, entre outras coisas que são essenciais para o funcionamento dos trabalhos”, afirma.

Mas, durante o processo onde uma mulher jovem ocupava pela primeira vez o cargo, Stéfanie revela que teve que lidar com os préjulgamentos daqueles que não acreditavam no seu potencial feminino para este trabalho. “Escutei bastante das pessoas que não iria dar conta de administrar, mas, com muita força de vontade e dedicação, consegui mostrar que estavam erradas”, afirma.

Hoje, adaptada com a função, a jovem secretária destaca as chuvas que afetaram o município neste ano e a pandemia da Covid-19, que reduziu o número de funcionários, por causa da idade, com desafios atuais de seu trabalho.

Leia também: Herança do campo: o amor de Helena pela agricultura em Araquari

Texto: Herison Schorr

Jornalista formado pela Faculdade Bom Jesus Ielusc

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*