Coisas que você NÃO deve fazer em Garuva

No país chamado Garuva, existem alguns comportamentos que são desaprovados pela população. Saiba quais são:

Reclamar da chuva: um patrimônio

Primeiro. É tanta chuva, mas tanta chuva, que ela já faz parte do patrimônio histórico e cultural da cidade. É de extrema deselegância chegar em um município e desdenhar sua cultura e história, não é mesmo?
Segundo. A lenda diz que, quanto mais reclamar dela, mais ela vai causar e aparecer, como alguém que todo mundo conhece bem…

Criticar o único semáforo da cidade: outro patrimônio


Sim. Garuva tem um único semáforo e ainda querem tirá-lo, e, para ser mais absurdamente irônico, seus algozes vêm de cidades que contam seus semáforos aos milhares. Ele, assim como a chuva, também faz parte do patrimônio cultural do município, e o único com autorização para tirá-lo é o vento.

Furtar banana na beira da estrada

Se em outros municípios a prática comum é surrupiar o milharal alheio, por aqui o ato criminoso se estende para as roças de bananais do município. É povo passando pelas estradas do interior e enchendo o porta malas de cachos e pencas de vários tipos, tipo um feirão clandestino. Que deselegante!

Cometer atos subversivos nos bananais


Como se não bastasse os furtos, há quem utilize as roças de banana para ‘adubar a natureza’, pervertendo todas as saracuras e saíras que as observam. Outros designam os atos como um protesto contra a falta de investimento em um motel para a cidade.

Subir o Monte Crista no verão


Subir o Monte Crista no auge do verão pode resultar num passeio desastroso e até fatal, e sua foto pode aparecer em alguma TV local com uma música triste de fundo. Segundo especialistas que frequentam a montanha, o local torna-se infestado de serpentes venenosas neste período do ano, as quais, acabam atacando os montanhistas, principalmente, na região do braço e das mãos, em pontos de escalada.

Ninguém quer ser picado por uma cobra venenosa em cima de uma montanha de difícil acesso, certo? Ninguém quer aparecer na TV com a música triste.
Outro fator perigoso são as enxurradas que descem da montanha após a chuva, elas podem ilhar os montanhistas no retorno para casa, quando devem passar pelo rio Três Barras, que faz parte do trajeto. O pior pode acontecer se você estiver dentro do rio quando ela passar como veremos a seguir.

Nadar nos rios do município sem prestar atenção na chuva da serra

Os rios de Garuva enchem de banhistas na época mais quente do ano, que se refrescam em suas águas calmas e cristalinas, as quais, também são visitadas por um fenômeno um tanto perigoso chamado de Cabeça D’Água.

Como comentado no tópico anterior, quando há um excesso de chuva na serra, a água escorre pelos rios de forma violenta, devido ao declive do solo. Pelo caminho, além do grande volume de água, troncos e até pedras são arrastados e chegam de repente.

Sem aviso prévio, muitas pessoas são pegas de surpresa e arrastadas pela enxurrada, e morrem afogadas. Por isso, é de extrema importância que todos prestem atenção se há nuvens de chuva na serra, na coloração da água que torna-se barrenta e, por mais que possam parecer chatinhos e inconvenientes, nos avisos de moradores que conhecem o local.

Visitar o Monte Crista e não ser gentil com os ETs

A educação é algo apreciado em todo o universo. Lembre-se disso quando acordar em sua barraca no Monte Crista ao lado de um marciano segurando a bandeja de café, flores e paz mundial. Retribua o bom dia e empreste seu telefone, caso ele precisar.

Subir as montanhas da cidade sem saber descer delas

De duas a uma: ou o povo esquece o caminho de volta, ou amam andar de helicóptero gratuitamente. Todos os anos, principalmente no inverno, a população para para assistir no final da tarde os resgates daqueles que sobem o Monte Crista e o Pico da Jurema e não conseguem descer. Aí movimentam toda uma equipe de resgate, gerando burburinhos locais, os quais, comentaremos no segundo tópico.

Ouvir o helicóptero sobrevoando a cidade e não querer saber o que aconteceu

Aproveitando o gancho dos resgates na serra, todo mundo que mora em Garuva tem como obrigatoriedade fuxicar nos grupos de redes sociais ou até mesmo com a vizinhança o motivo pelo qual um helicóptero está sobrevoando a cidade.

É um crime saber o que rolou e não compartilhar isso com os 15 mil habitantes. Quem descobre primeiro e conta, ganha várias congratulações e placas de honrarias. Geralmente o motivo dos voos tornam-se assuntos do jantar nos lares garuvenses.

Pular da pedra da Judite após ser pressionado

Sabe aquela velha história do: se seu amigo se jogar da ponte você vai também? A questão é quase isso, mas estamos falando da Judite: uma pedra gigantesca no meio do rio São João, onde muitos banhistas a usam como um trampolim ecológico, ou como passagem para uma suposta prova primitiva de virilidade.

Se você não sabe, não manja a técnica, não tem noção do que está fazendo, está embriagado, pressionado, outras especificidades esquecidas, você não vai se jogar de lá. Dependendo de onde você caia, poderá quebrar a cabeça ou o pescoço em um banco de areia, ou se afogar.

Nadar nas lagoas da praça Pedro Ivo Campos

As lagoas da praça Pedro Ivo Campos são de uso exclusivo das carpas, rãs e até jacarés. NÃO estão abertas para banhos.

Não dançar a música ‘Cor de Caramelo’ na Festa do Colono

“Quando eu vi você passar, foi um golpe em mim. Em meu peito uma paixão, cachoeira de amor que desce dos meus olhos, rumo ao coração “. Sabe de onde esse refrão foi tirado? Do hino oficial da Festa do Colono de Garuva.
Em todas as edições da celebração ele é proferido por diferentes bandas que passam pelos palcos da maior festa da cidade, e ficar sentado durante seu proclame é considerado falta de respeito no município. Outras composições também são consideradas hinos extra-oficiais da festa, como: Catchaqueira e Ele Te Trai.

Recusar comer as iguarias feitas com banana

Se um garuvense te oferece bala de banana, chips de banana, banana seca, chocolate com banana, licor de banana, pudim de banana, cuca de banana, espetinho de banana, banana de banana e banana, você deverá provar com um belo e sincero sorriso no rosto e dizer: hum, que delícia! Posso pegar mais um?! Esta ação está registrada no livro de boas maneiras da cidade.

Ler estas dicas incríveis e não seguir o Folha Norte SC no Facebook

Texto: Herison Schorr

Jornalista formado pela Faculdade Bom Jesus Ielusc

4 Comments on "Coisas que você NÃO deve fazer em Garuva"

  1. Charles Giovan Minte | fevereiro 3, 2021 at 7:19 am | Responder

    Muito bom o Texto, hilário! 😁👏🏾👏🏾

  2. Só verdades !!! 😂😂😂

  3. Sou Garuvense de paixão pois tenho este municipio como um campo santo,e dou graças a Deus por Ele ter me trazido com mãos poderosas a este lugar encantador com várias denominações evangélicas onde pude aceita-Lo como Senhor da minha vida, coisa que em nenhum outro estado,cidade ou município eu havia encontrado neste pais abençoado ricamente por Deus. Pois sou nascido e criado no Rio Grande do Sul tchê!.e faço minhas as palavras deste anuncio na Folha Norte S.C. do Facebook .

  4. Amo a cidade de garuva ..

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*