Menina de Garuva escreve carta ao Papai Noel pedindo cura para doença de pele

“Na escola eles me xingam, dizem: ‘não fica perto dela porque ela tem sarna’. Quando vou para a rua, sempre vou de tênis, calça e casaco, mesmo no calor”, revela Ághata Pinheiro dos Santos, de 12 anos, que sofre de psoríase

Para o Natal de 2020, a pequena Ághata Pinheiro dos Santos, de 12 anos, escreveu ao Papai Noel que não quer mais nem a bicicleta, nem o celular, como sempre desejou, assim como várias outras crianças. No lugar dos presentes, pediu um outro mais especial: a cura para sua psoríase, uma grave doença de pele que, agora, atinge 95% de seu corpo.

Em carta ao Papai Noel, menina de Garuva pede cura para doença de pele.
Gravação: Herison Schorr

A moradora do bairro Vila Trevo, em Garuva, contou em entrevista ao Folha Norte SC que o pedido pela cura ao bom velhinho veio em um momento de muita tristeza. “Na escola eles me xingam, dizem: ‘não fica perto dela porque ela tem sarna’. Quando vou para a rua, sempre vou de tênis, calça e casaco, mesmo no calor”, revela a menina que passou a faltar as aulas no ano passado, quando a doença se agravou, como conta a mãe de Ághata, a merendeira Gisele Pinheiro dos Santos, de 31 anos. A decisão de não querer mais ir para a escola veio em um momento que não aguentava mais as humilhações. “Vergonha e medo deles falarem mais”, diz Ághata.

Em uma das várias situações de bullying, a menina lembra que a direção e os professores interviram, mostrando para todos que a condição em sua pele não era contagiosa. “Eles fizeram uma rodinha e me abraçaram”, conta a aluna que afirma a diminuição dos assédios, mas que não durou por muito tempo.

Ághata conta que só se sente confortável em casa para andar com roupas curtas.
Foto: Herison Schorr

Fora da escola, os olhares continuam entre os moradores que, segundo Ághata, não disfarçam os olhos atravessados sobre sua condição, estimulando na menina um isolamento em sua casa, em meio a uma floresta, onde se sente livre para andar com roupas curtas e brincar com as irmãs mais novas. Outro fator que torna a doença ainda mais presente em sua vida, são as constantes coceiras e dores que sente, chegando a virar a noite tentando se livrar do incômodo que, às vezes, sangra em alguns locais.

Para sair pela cidade, a menina opta por roupas compridas, mesmo em dias de calor.
Foto: Herison Schorr

Gisele afirma que já teve problemas com o conselho tutelar após a filha faltar 90 vezes na escola. Ao observar as falas da Ághata, emociona-se com os sentimentos da filha do meio que, prestes a entrar na adolescência, tenta encontrar sua autoestima. “Às vezes ela pergunta pra mim: ‘por que comigo, mãe? Por que só comigo?'”, diz a mãe que também desenvolveu psoríase, a qual, se agravou quando observou que a doença da filha já está atingindo o rosto, local onde ela dificilmente conseguirá esconder, caso não seja tratado.

Gisele busca o quanto antes um tratamento para a filha. Foto: Herison Schorr

Em busca de auxílio médico para a filha, Gisele procurou por especialistas que apresentaram um tipo de tratamento para amenizar a condição – já que a psoríase não tem cura -, mas o valor da medicação é cerca de R$1.800,00 por mês, sem contar os valores da dieta que ela deverá seguir. Em uma casa com sete pessoas, dentre eles, cinco crianças, e com uma renda de 2 mil reais, Gisele revela que não terá condições de pagar o tratamento da filha, e optou por buscar apoio para receber a mediação gratuitamente pelo SUS, mas sem muitas esperanças que consiga o quanto antes.

Enquanto Ághata está na fila de espera para tentar conseguir a medicação, a família optou por fazer uma vaquinha online, e começar o tratamento com a arrecadação. Para os leitores que quiserem colaborar, clique aqui.

Texto: Herison Schorr

Jornalista formado pela Faculdade Bom Jesus Ielusc

4 Comments on "Menina de Garuva escreve carta ao Papai Noel pedindo cura para doença de pele"

  1. Boa noite!
    Ela tem um diagnóstico de um dermatologista, afirmando ser psioriese?
    Diga para ela ir na farmácia na segunda feira.
    Quero ver de perto.
    Porque o que interfere com a melanina da pele, seria o vitiligo.
    Sem compromisso, eu gostaria de ver de perto estas manchas.
    Farmácia Driga Centro.
    Garuva.
    Me chamo Jane e minha filha me marcou
    .

  2. Emilia Roberta Kienbaum Barros | novembro 27, 2020 at 2:48 am | Responder

    Ela em dias de calor que ande de chinelo bermuda blusa recata e se alguém falar alguma coisa ela diga não gosta do que está vendo então me ajuda a me trata ,ou não olhe

  3. Meu marido e minha sogra tem psoríase elea aplicam uma injeção de diprospan e a única coisa que ajuda . Ele fez vários tratamentos mas nenhum adiantou .

  4. Meu marido tem psoríase ele aplica uma injeção de diprospan e a única coisa que ajuda ele.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*