Filha grávida faz carta à mãe vítima da Covid-19 para apresentar neto que ela não irá conhecer

“Ela sempre pedia, sempre falava… Quando contei que estava grávida, foi só alegria”

São com estas primeiras palavras que Jéssica Fernanda Santin Novaes, 27 anos, revela o maior sonho da confeiteira Neversi dos Santos Santin, de 51 anos: ser avó. Um sonho que foi realizado na gestação de apenas três meses, tempo suficiente para gerar o carinho fraternal entre Neversi com seu neto ou neta, que chegará no início do ano que vem, mas que não a conhecerá. Sua avó é uma das sete vítimas da Covid-19, em Garuva.

Jéssica está grávida de três meses. A família descobriu a gestação dias antes de Neversi ser internada. Foto/Divulgação

De forma simbólica, Jéssica escreveu uma carta onde dá voz ao seu bebê, ligando-o à avó, em saudade, em memória, em expectativa de devolver a alegria da família, levada por ela.

“Ainda sou muito pequeno(a), mas aqui de dentro da barriga de minha mamãe eu consigo sentir que algo de errado está acontecendo aí fora. A mamãe chora muito, se sente angustiada e com muita tristeza, eu não entendo quase nada. Mas todo dia ela me acalenta e fala comigo, me disse que minha vovó nos deixou e virou uma linda estrela brilhante no céu, que quando eu sair daqui vai estar cuidando de nós lá de cima. Me disse também, que tudo que ela mais pedia era um netinho(a) e agora que estou a caminho, ela não estará mais a minha espera. Mamãe contou a ela ainda em vida que eu viria, e após sete dias começou toda angústia por notícias, percebia que foi tudo muito rápido e que mamãe se sentia cada vez mais triste. Até o momento da nossa oração em família as 22:00h veio a pior e mais dolorosa notícia, que ela teria nos deixado. Vovó eu sei que aí onde você está deve ser lindo e cheio de luz, que o mesmo papai do céu que me deu a vida, hoje cuida de você com todo amor do mundo. A saudade aqui é imensa e sempre vai ser… mas Deus me envia para dar vida e alegrar toda a família, fazer um pouquinho do que você sempre fez. TRAZER AMOR E ALEGRIA”.

Neversi morreu na noite de 17 de agosto, em um hospital de Itajaí após uma repentina piora dos sintomas da Covid-19. Sem comorbidades, Jéssica conta que a evolução da doença, que infectou toda família, foi repentina na mãe.

Neversi era confeiteira e proprietária de uma padaria. Foto/Divulgação

“Se sentia com mal estar, teve febre, mas nada além disso, durante os primeiro sete dias; pelo oitavo dia, ela começou a sentir dores no peito”, conta. Neversi foi encaminhada, primeiramente, ao Centro de Triagem de Covid-19 de Garuva, depois para uma UTI, em São Francisco do Sul, e em seguida para Itajaí, onde não resistiu.

Família Santin reunida no casamento de Jéssica. Foto/Divulgação

“Cuida bem do nosso ‘pitchuruco'”

Mesmo internada, a confeiteira mandava rotineiras mensagens para Jéssica, que estava isolada em casa, tratando-se. Ainda que a saúde de Neversi debilitava-se a cada dia, a vovó queria estar em paz com as boas notícias de que os sintomas da doença na filha eram leves, e também do “pitchuruco”, como já havia apelidado carinhosamente o bebê.

Áudio mandado pela avó internada na UTI, em São Francisco do Sul. Gravação/Divulgação

Jéssica conta que a relação da mãe com as duas filhas sempre era próxima. Foi graças à ligação entre elas que a jovem também se tornou uma doceira de mão cheia “Todo aquele amor que ela tinha pela confeitaria, ela me passou”, afirma a filha que ajudava a mãe na padaria da família, mas que acabou se formando em odontologia, outro orgulho para Neversi.

Apaixonada por flores e pela terapia de mexer com a terra, a mãe amorosa cultivava um belo jardim em casa; hoje, a família leva com frequência as plantas para adornar seu túmulo no Cemitério Municipal de Garuva.

Como um dos últimos momentos que marcou a história da filha, Jéssica conta que dedicou, em seu casamento, uma preciosidade almejada por muitas da ocasião. “Meu buquê de orquídea foi pra ela”, lembra daquele gesto por quem sempre o amor recebeu.

Jornalista Herison Schorr

Formado pela faculdade Bom Jesus Ielusc

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu email não será publicado


*